mruiandre Mário, todavia, Rui, contudo, André

Sabotage

Foto de Luís Sousa, do Música Em DX, cedida gentilmente ao Shifter

O Sabotage vai desaparecer tal como o conhecemos – e esperemos que não desapareça de vez. O senhorio do prédio devoluto onde o bar se instalou em 2013 – que é um grupo empresarial ligado ao investimento imobiliário (di-lo logo no nome, Mainside Investments) – quer transformar o empreendimento num hotel. Mais um. O bar localizado no Cais do Sodré não tem para onde ir… ainda. Esperemos que seja mesmo um “ainda“. Os donos estão à procura de uma solução mas dizem que as rendas estão “caríssimas”. O futuro é incerto para o Sabotage que se tornou “não só como uma referência nas digressões de bandas independentes de todo o mundo como para a nova música portuguesa, e tem, desde então, cumprido a promessa de manter uma agenda semanal regular de concertos de quinta a sábado”, como os próprios proprietários defendem num comunicado que enviaram a pedir ajuda de “jornalistas, músicos, editores, agentes, clientes, amigos do Sabotage e a todos os que nos lerem”.

Outros bares do Cais já sentiram o mesmo futuro incerto que agora assola os donos do Sabotage. O Oslo encerrou no final de 2018 ao fim de quase quatro décadas a servir música na Rua Cor-de-Rosa – também por força do grupo Mainside Investments. De saída da rua mais colorida do Cais estão também outros três ícones: o edifício, degrado, onde se encontram o Europa, o Tokyo e o Jamaica vai ser reabilitado para a instalação de um hotel. Sim, outro. Contudo, os três bares já têm casa assegurada pela Câmara de Lisboa junto ao rio, em pavilhões na vizinhança da discoteca B.Leza e do cada vez mais badalado Titanic Sur Mer. A intenção da autarquia é – segundo consta – criar uma correnteza de diversão nocturna à beira do Tejo, para o barulho ficar longe da habitação e da hotelaria – já essa parte da cidade adormece à noite; ruas vazias, sem vida, sem expressão, mas onde se pode dormir sossegado. Poderá o Sabotage mudar-se também para a beira-rio?

Aparentemente, a vida nocturna do Cais do Sodré, que se tornou uma das mais trendy da cidade – até os estrangeiros do Web Summit vão para lá todos os anos –, vai mesmo mudar. Mas não é isso que acontece às cidades? Mudam, transformam-se, adaptam-se. A pergunta que se impõe é: que Lisboa queremos? Será que as mudanças que estão previstas, por exemplo, no Cais – aparentemente forçadas por condicionantes externas mas pensadas por decisores políticos – vão dar certo a longo prazo? Conseguirá a economia turística, que reabilitou tantos edifícios pela zona histórica de Lisboa, cuidar deles no futuro e garantir que não passarão a ser novamente prédios devolutos quando acabar o boom turístico?

O turismo é um negócio de aparências. Importa parecer bonito e arranjado, naquele momento em que o negócio rende. Importa dar para aquela fotografia bonita para o Instagram ou tirar aquela selfie que tantas pessoas tiraram no mesmo sítio. Lisboa é uma cidade que encanta quem a visita, é aquela capital europeia que faltava descobrir (ainda que cada vez por menos pessoas). Mas o turismo, como tudo o que é de aparências, não tem pudor nem afecto, é uma indústria. Usa os espaços para tirar dele o dinheiro que quer, sem limites porque se os há são amplos. Assim não terá qualquer vergonha de largar Lisboa um dia, de a abandonar e de deixar os seus edifícios apodrecer novamente, se vir noutro sítio um investimento mais lucrativo.

O texto continua no Shifter. Também lá vão encontrar uma espécie de carta de amor ao Sabotage, que desafiei o Guilherme Correia a escrever. Obrigado também à publicação Música Em DX , em particular ao Luís Sousa, pela cedência da foto que aqui vêem.

mruiandre Mário, todavia, Rui, contudo, André

No Twitter

Instagram

Instagram has returned empty data. Please authorize your Instagram account in the plugin settings .

Seguir