mruiandre Mário Rui André

Terras Sem Sombra @ Sines

Um olá de Sines. Estou por aqui, eeste fim-de-semana, a fazer uma das coisas de que mais gosto: descobrir iniciativas fora das grandes cidades e escrever sobre elas no Shifter. Neste caso, o Terras Sem Sombra – um festival “invisível” que nasceu para valorizar o património e a biodiversidade do Alentejo. É acompanhado por música erudita/clássica e realiza-se em vários municípios do litorial e interior, ao longo de 6 meses.

A “música clássica” é geralmente esquecida mas sabe tão bem ouvir um recital de piano. Artur Pizarro @ Terras Sem Sombra, Sines

burst

Uma aulinha de biologia marinha, esta manhã, em Sines. E uma visita a um aquário com ovos de tubarão. Duas notas sobre isto:

1 – Sines é uma cidade rodeada por algumas fábricas e com muita actividade portuária, podendo levar-nos à ideia de que as suas praias seriam mais poluídas. Contudo, e aparentemente, existe por aqui uma atenção redobrada em relação à qualidade da água do mar. Equipas da Universidade de Évora fazem uma monitorização constante desta água e da sua biodiversidade, procurando indicadores anormais, e desenvolvem também aqui alguns projectos de investigação especiais.

2 – este tipo de iniciativas em que investigadores deixam os laboratórios e vão ao encontro das populações são bem importantes: contribuem positivamente para a literacia científica e servem também para consciencializar para a Natureza (às vezes invisível) que é preciso preservar. Por isso, é bom existirem eventos como o Terras Sem Sombra.

mruiandre Mário Rui André

No Twitter

Seguir