mruiandre Mário Rui André

Mini-review da Gira 2

Tenho substituído a minha bicicleta privada pelas bicicletas públicas e partilhadas da Gira. As principais vantagens, para mim:

  1. o motor eléctrico, que ajuda bastante nos arranques e subidas, tornando as viagens muito mais cómodas;
  2. é cómodo porque não tenho de andar sempre com a bicicleta atrás, podendo apanhar uma Gira quando preciso e deixá-la numa doca próxima do destino (existem cada vez mais docas);
  3. por isso, também não tenho de andar com um cadeado pesado atrás e com o medo de a bicicleta poder ser roubada (mesmo que presa com um bom cadeado);
  4. dá facilmente para combinar outras formas de transporte. Por exemplo, agora tenho usado muito o comboio para ir de Benfica para o centro da cidade (Entrecampos) ou Oriente e aí, à porta da estação, apanho uma Gira para prosseguir viagem. Mais eficiente que usar o metro.

Além de existirem agora bem mais estações da Gira pela cidade (e aparentemente uma no Golfo da Guiné), o que torna o serviço mais útil e abrangente, o horário até às 2 da manhã é óptimo. Agora há um transporte público em Lisboa aberto depois da 1. (É certo que sempre existiram autocarros nocturnos, mas não passam em todas as zonas e não são assim tão frequentes.)

Uma doca no Golfo da Guiné?!
mruiandre Mário Rui André

Mário Rui André

Co-Fundador e Director Operacional do Shifter